top of page
Buscar

Porque os alunos não gostam de ativar a câmara

Uma característica fundamental do trabalho do professor é usar as reações dos alunos para melhorar seu trabalho de ensino. Mas, nem sempre os alunos ativam a câmara durante as aulas. E, isso independe da idade e até mesmo do horário - a princípio parece que qualquer motivo parece uma boa desculpa para os alunos.

Entretanto, essa decisão do aluno pode ser um problema porque o professor não efetiva a conexão interpessoal suficiente para contribuir ativamente para o seu aprendizado. Adicionalmente, não há como saber se o aluno não está simplesmente dormindo na aula.


<a href="https://br.depositphotos.com/category/illustrations.html">Pequeno estudante em óculos dormindo com livro à mesa com laptop em fundo cinza - null</a>

Como todo professor, eu questiono as dinâmicas que acontecem em minhas aulas e isso me ajuda em pesquisas pessoais, não científicas e realizadas sem critérios rígidos, mas que dão alguma ajuda para a decisão de estratégias didáticas e outras atividades que possam ser utilizadas para ajudar no ensino. Entre essas reflexões, constatei que o principal motivo para a decisão de fechar a câmara é timidez e o fato de sentir-se desconfortável em ser exposto dessa maneira.

Como o fechamento da câmara afeta os AVA de 3a. onda

Na primeira onda dos AVA, o aluno seguia os passos dados pelo computador. Era chamada a onda das máquinas de ensinar, com manuais e procedimentos totalmente guiados pelo computador. Pessoalmente eu participei dessa onda quando fui franqueado de uma escola e aprendi muito sobre o potencial dessa maneira de conduzir o ensino.

A onda seguinte é a que ainda existe no Brasil e que se preocupa com o gerenciamento dos conteúdos, usando tarefas e sequencias pré-programadas. Sendo assim, dão poucas chances para que o aluno exerça seu potencial de protagonizar seu aprendizado. Entretanto, com a pandemia do covid-19, esse AVA disseminou-se com capilaridade em todo o Ensino do Brasil. Enfim, isso é ótimo.

Mas, a terceira onda já existe e tende a ser a próxima tsunami do Ensino em todas suas formas.

Um cenário possível a partir da 3a onda de AVA

Nessa nova onda do Ensino, o Projeto passa a ser a estratégia andragogênica. Ou em outras palavras, a Aprendizagem Baseada em Projetos é a forma como o AVA3 faz ensino de adultos.

Diferente do ensino dos jovens, no ensino para adultos existe a urgência em aplicar o que se aprende para trazer resultados rapidamente. Sendo assim, a motivação para aprender vem do próprio aluno. Enquanto a criança vai para a escola porque a mamãe mandou, e a professora motiva o aluno para aprender; no caso do adulto, ele está lá porque quer, ele já tem em si mesmo o suficiente para motivá-lo.

E, nesse ponto, vem a questão inevitável: o aluno adulto que não se interessa para aprender do modo atual, não continuará a ser desinteressado com essa nova abordagem didática?

A resposta é que se a causa do desinteresse atual é a necessidade do aluno em aprender para uso imediato na vida profissional. No meu caso real, um aluno reclama que não deveria existir a disciplina de Inovação em um curso de Sistemas de Informações Gerenciais. A explicação é que aquilo não é o que ele precisa para fazer dinheiro.

Nos AVA de segunda geração, é impossível ele estudar o que ele necessita, descartando o que não é importante segundo sua avaliação.

Não questiono que é nosso dever informar os pré-requisitos para cada caso escolhido, mas isso pode ser feito nos AVA da terceira onda, assim como o sistema atual de pré-requisitos de disciplinas. Mas, estamos falando de uma estrutura que não é de disciplinas, mas de competências específicas que o aluno deseja adquirir.

E, no final, ele adquire uma coleção de certificados que poderiam ser o suficiente para justificar o pedido de reconhecimento de um diploma de algum curso específico.

Timidez e exposição

Em uma visão prática, notei recentemente (primeiro semestre de 2023) que muitos Reels que aparecem no Instagram mostram fórmulas mágicas para enriquecer. Isso é natural, mas o que me chamou a atenção é a frequência com que essas propagandas de cursinhos falam sobre você não aparecer. Coisas assim como: "conquiste 10 mil seguidores fazendo reels sem você aparecer".

Isso é algo que me chamou a atenção justamente porque é inesperado que um problema de sala de aula tenha se propagado já na vida adulta (ou quase isso) de nossos egressos. É timidez ou medo de exposição no mundo extra-classe?

A timidez é um traço de personalidade que afeta a forma como uma pessoa se relaciona com os outros e se comporta em situações sociais. Na área de Aprendizagem Ativa, a timidez pode ser entendida como um comportamento que inibe a participação ativa e a interação com o ambiente de aprendizado. Indivíduos tímidos geralmente se sentem desconfortáveis em expor suas ideias, fazer perguntas ou se envolver em atividades em grupo. Eles tendem a evitar chamar a atenção para si mesmos e preferem permanecer em segundo plano. A timidez pode impactar negativamente o processo de aprendizagem ativa, pois os alunos tímidos podem hesitar em contribuir com suas opiniões e conhecimentos, perdendo assim a oportunidade de se engajar plenamente nas discussões e atividades. Isso pode limitar seu desenvolvimento acadêmico e a capacidade de colaborar efetivamente com os colegas. Para lidar com a timidez na aprendizagem ativa, é importante criar um ambiente acolhedor e encorajador, que promova a confiança e o respeito mútuo, permitindo que os alunos tímidos se sintam seguros para expressar suas ideias e participar ativamente das atividades. Estratégias como o estabelecimento de pequenos grupos de trabalho, o uso de tecnologias colaborativas e a promoção de atividades que incentivem a participação de todos os alunos podem ajudar a superar a timidez e envolver todos os estudantes de maneira igualitária no processo de aprendizagem ativa.

Na área de Aprendizagem Ativa, a exposição do aluno em redes sociais pode ser entendida como o compartilhamento de suas atividades, projetos e reflexões em plataformas online voltadas para a interação social. No contexto da timidez, a exposição do aluno em redes sociais pode representar um desafio significativo. Alunos tímidos podem sentir-se desconfortáveis em compartilhar seus pensamentos e ideias publicamente, especialmente em um ambiente digital onde o alcance e a visibilidade podem ser amplificados. A timidez pode levar esses alunos a evitar ou limitar sua participação online, preocupando-se com o julgamento dos outros ou com a possibilidade de cometer erros publicamente. Isso pode resultar em uma falta de envolvimento ativo nas discussões online, perda de oportunidades de aprendizado e conexões com outros alunos.

No entanto, a exposição do aluno em redes sociais também pode ser uma ferramenta poderosa para superar a timidez e promover a aprendizagem ativa. Com a abordagem adequada, as redes sociais podem criar um ambiente seguro e inclusivo para os alunos tímidos se expressarem e participarem de discussões acadêmicas. Através da criação de grupos fechados ou fóruns de discussão online, os alunos podem compartilhar suas ideias e interagir com seus pares de forma mais controlada e confortável. Isso permite que os alunos tímidos ganhem confiança gradualmente, pois se sentem menos pressionados pela presença física e pelo contato direto com os outros.

Além disso, a exposição do aluno em redes sociais pode oferecer oportunidades de autoexpressão e construção de identidade. Os alunos tímidos podem encontrar nas redes sociais uma plataforma para expressar suas opiniões, compartilhar seus interesses e talentos, e se conectar com outros alunos com interesses similares. Essa interação online pode ajudar a criar laços e construir uma comunidade virtual onde a timidez é compreendida e respeitada.

No entanto, é importante salientar que a exposição do aluno em redes sociais deve ser feita de forma consciente e segura. Os educadores devem orientar os alunos sobre o uso responsável das redes sociais, ensinando sobre privacidade, ética digital e como lidar com situações de exposição indesejada. Além disso, é fundamental que os educadores e a escola estejam atentos e monitorem as interações online, criando um ambiente seguro e protegido para os alunos participarem ativamente sem medo de assédio, bullying ou qualquer forma de violação de sua privacidade.


コメント


Gostou? Compartilhe

Quer saber quanto custa uma Auditoria Investigativa de Condomínio?

Quem pode pedir uma auditoria da gestão do condomínio?

Assine e receba novos artigos no seu e-mail

Obrigado pela sua inscrição

AUDITOR ADMINISTRATIVO DE CONDOMÍNIO

Relatório de Auditoria Administrativa para prestação de contas anual, preventiva ou retroativa.

bottom of page