top of page
Buscar

A saúde da sua empresa vai bem?

Sempre disse que o dinheiro da empresa está para ela como o sangue para os seres vivos. Sem ele, a empresa começa a agonizar e pode morrer - rápido ou aos poucos. Mas, é fácil fazer um exame clínico usando alguns índices chamados econômico-financeiros, assim como fazem os médicos. Para isso você precisa ter uma contabilidade confiável. Se não tiver, seu problema é muito mais grave porque ela existe não apenas para pagar impostos. A contabilidade é uma ferramenta para a boa gestão, só basta saber usar.



Existem basicamente 3 preocupações que devem existir em qualquer dono de empresa ou gestor financeiro: Segurança, Rentabilidade e Liquidez. São os fundamentos de uma área de conhecimento chamada Finanças.

Segurança

Essa dimensão de Finanças é, talvez, a mais importante. Afinal, o dinheiro da sua empresa está seguro? As cobranças são efetuadas de forma correta e o que for arrecadado vai para um lugar seguro? E, os pagamentos?

Normalmente, essas atividades são entregues a pessoas de confiança. Há uma regra geral de Finanças nessa dimensão da segurança que estabelece que quem paga, não recebe e quem recebe, não paga. Isso significa que ao separar que duas pessoas façam a cobrança e pagamento separadamente, o controle fica mais eficiente. É de se supor que se for a mesma pessoa, fica muito mais fácil que algum valor seja recebido, não registrado e pago para alguém que, também, não está registrado.

Rentabilidade

É de se esperar que se você colocar seu dinheiro em algum lugar (que não seja embaixo do colchão), ele renda um pouco por mês. Esse é o princípio geral já que você deixou de consumir algo hoje para consumir no futuro. Por não estar consumindo hoje, você espera que no futuro você tenha um pouquinho a mais. Esse é o conceito básico da poupança, ou seja, deixar de gastar hoje para poder gastar mais no futuro.

Nas empresas acontece a mesma coisa. Ela pode ir reservando dinheiro ao longo do ano para o futuro que poderá ser, por exemplo, dividir o lucro acumulado com os acionistas ou investir em novos equipamentos.

Da mesma forma, é normal que o caixa da empresa fique com valores altos. Além de estar em algum lugar seguro (bancos, por exemplo), esse dinheiro também deve render algum valor. Ele não pode ficar parado.

Então, a função do gestor financeiro deve ser sempre a de buscar a melhor rentabilidade para o saldo em caixa e das reservas.

Mas, isso não pode comprometer a necessidade de pagamentos futuros - para isso, além de fazer a previsão de fluxo diário do caixa, deve manter um certo nível de certeza que irá poder contar com o dinheiro na hora que precisar.

Liquidez

A Liquidez é o conceito que mede quanto tempo leva para você ter o dinheiro livre para fazer pagamentos.

investimentos com alta liquidez e maior segurança costumam ter uma rentabilidade menor. Aplicações com alta liquidez e maior segurança costumam ter uma rentabilidade menor. Por isso, o bom gestor financeiro é aquele que consegue aplicar a boas taxas de rentabilidade os valores que não serão necessários durante os prazos que estarão disponíveis, de forma segura. Assim, quem faz bons fluxos de caixa consegue fazer o saldo em conta render mais.

 

É interessante observar que a partir destes conceitos, dá até para fazer uma avaliação do resultado obtido com a gestão financeira. Por exemplo, se você comparar com a taxa de poupança, digamos 0,5% ao mês, bastaria pegar o saldo médio do seu caixa, aplicar essa taxa de remuneração e ver quanto dá. Se as aplicações renderem isso ou mais, você tem um bom gestor financeiro, senão está na hora de rever o que anda acontecendo lá no setor financeiro da sua empresa.

Como você nota, é necessário medir o desempenho. Mas, infelizmente os índices econômico-financeiros não são agrupados desta forma, embora tenham muita relação com este tripé das finanças.

Então, seu trabalho consiste em usar os indicadores para ver se há alguma vulnerabilidade no que se refere a estas 3 dimensões.

Os índices econômico-financeiros são calculados a partir da sua contabilidade:

Índices de Liquidez

  • Liquidez Corrente LIQUIDEZ CORRENTE = ATIVO CIRCULANTE / PASSIVO CIRCULANTE

  • Liquidez Seca LIQUIDEZ SECA = (ATIVO CIRCULANTE – ESTOQUES) / PASSIVO CIRCULANTE

  • Liquidez Imediata LIQUIDEZ IMEDIATA = DISPONÍVEL / PASSIVO CIRCULANTE

  • Liquidez Geral LIQUIDEZ GERAL = (ATIVO CIRCULANTE + REALIZÁVEL A LONGO PRAZO) / (PASSIVO CIRCULANTE + EXIGÍVEL A LONGO PRAZO)

Índices Financeiros

  • Margem Líquida (ML) MARGEM LÍQUIDA = LUCRO LÍQUIDO APÓS OS IMPOSTOS / RECEITA TOTAL X 100

  • Retorno sobre os Ativos (ROA) ROA = (LUCRO LÍQUIDO / ATIVO TOTAL) X 100

  • Retorno sobre o Investimento (ROI) ROI = ((Retorno do Investimento – Custo do Investimento) / Custo do Investimento)) X 100

  • Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) ROE = (Lucro Líquido / Patrimônio Líquido) x 100

  • Grau de Alavancagem Financeira (GAF) GAF = ROE / ROA

Índices Operacionais

  • Rotação dos Estoques (RE) VENDAS / MÉDIA DO ESTOQUE (Est. Inicial + Est. Final / 2), ou CMV / MÉDIA DO ESTOQUE (Estoque /itens)

  • Idade Média dos Estoques (IME) IME = (ESTOQUE MÉDIO / CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA) X 360

  • Prazo Médio de Cobrança (PMC) (Duplicatas a receber) / (média de vendas por dia), ou (Duplicatas a receber) / (vendas anuais) / 360, ou ainda PMC = Clientes X 360

  • Prazo Médio de Pagamento (PMP) IME = Fornecedores X 360 (dias do ano)

Índices de Custo de Capital

  • Custo de Capital de Terceiros (Ki) KI = DESPESAS FINANCEIRAS / PASSIVO ONEROSO

  • Custo do Capital Próprio (Ke) O cálculo do Ke envolve alto grau de subjetividade. É, talvez, o índice mais difícil de se calcular. Pode-se levar em consideração as referências de empresas de um mesmo ramo ou até cálculos mais complexos, como o Modelo de Gordon.

  • Custo Médio Ponderado do Capital (WACC) – Weighted Average Capital Cost WACC = D / (D+K) * Ki * (1-T) + K / (D+K) * Ke, onde: Ke: Custo de capital próprio Ki: Custo de capital de terceiros K: Patrimônio Líquido D: Empréstimos T = IR (34%)

  • Outra forma de cálculo é: WACC = Ke (E/D+E) + Kd (D/D+E) X (1-IR), onde: Ke: custo do capital de fonte interna; Kd: custo do capital de fonte externa; E: patrimônio líquido da empresa; D: dívida total; IR: Imposto de Renda.

Índices de Geração de Valor da Empresa

São indicadores relacionados com a Rentabilidade da empresa.

  • Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização

É um valor que normalmente consta nos Balanços e serve para demonstrar a geração operacional de caixa da empresa no período de análise, ou seja, o quanto ela consegue gerar de recursos lançando mão apenas de suas atividades operacionais, sem considerar os impostos, efeitos financeiros, a amortização de direitos e a depreciação dos ativos.

É conhecida entre os profissionais de finanças como EBITDA (Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization) Em português seria Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (LAJIDA), mas poucos usam essa sigla em nossa língua.

  • Valor Econômico Agregado

Este índice mostra qual a rentabilidade sobre o capital da empresa. É algo como que supor que o capital da empresa é o investimento dos sócios nela e, assim, mostra quanto rende investir na empresa.

A fórmula é simples: EVA = (ROE – KE) X PATRIMÔNIO LÍQUIDO


 

Espero ter ajudado com esta explicação - afinal, se você não controla sua empresa, você não administra nada. E, qualquer que seja o resultado, ele será somente dirigido pelo acaso. Você quer administrar assim?









Quer saber quanto custa uma Auditoria Investigativa de Condomínio?

Quem pode pedir uma auditoria da gestão do condomínio?

Assine e receba novos artigos no seu e-mail

Obrigado pela sua inscrição

Livros

Organizacao capa so frente.png

AUDITOR ADMINISTRATIVO DE CONDOMÍNIO

Relatório de Auditoria Administrativa para prestação de contas anual, preventiva ou retroativa.

bottom of page